Instituto TIM   English

 

VAMOS LÁ, VAMOS FAZER?

Academic Working Capital é um programa de educação empreendedora que apoia estudantes que querem transformar seus Trabalhos de Conclusão de Curso em uma empresa de base tecnológica.

Os participantes recebem conteúdos formativos em workshops e monitorias quinzenais que contribuem para criar um ecossistema em que todos estão imbuídos da ideia de empreender. AWC também oferece apoio financeiro para aquisição dos materiais de consumo necessários para a construção de verdadeiros protótipos de Engenharia. No final do ano, os grupos apresentam seus produtos a investidores e empreendedores.

O ciclo de AWC é dividido nas seguintes etapas:

  • Inscrição (edital + seleção). Para participar, os grupos devem ser formados por 2 a 4 integrantes e o coordenador da equipe precisa estar matriculado na etapa de execução do TCC. A fase de inscrição é realizada em duas etapas (chamadas), separadas por um intervalo de quatro meses.
  • Workshop I (presencial e online). O foco das palestras e dinâmicas é o teste do problema que a solução busca resolver e a jornada do usuário.
  • Monitoria (1ª fase). Os coordenadores auxiliam os grupos na busca pelas respostas das hipóteses que eles criaram para validar o problema.
  • Workshop II (presencial e online). Pela primeira vez, os grupos da 1ª e da 2ª chamada se reúnem. Começa a etapa de teste da solução e design detalhado, com a elaboração dos requisitos do produto. O Workshop II online é uma revisão dos conteúdos do Workshop II presencial.
  • Monitoria (2ª fase). Os coordenadores orientam os grupos a continuar testando a solução, a fazer uma primeira venda e a consolidar parcerias.
  • Workshop III (presencial). Os grupos realizam o teste do produto e se preparam para apresentar o protótipo na Feira de Investimentos.
  • Feira de Investimentos (demoday). Última etapa de AWC, evento no qual os grupos apresentam suas soluções a especialistas, empreendedores e investidores.

ciclo-awc-2

 

Puderam se inscrever em AWC 2017 estudantes universitários dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Espirito Santo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e do Distrito Federal, e alunos de Escolas Técnicas Estaduais de São Paulo (Etecs).

Visite o site de Academic Working Capital para saber mais sobre a iniciativa
Acesse o canal de AWC no Youtube e confira os vídeos dos workshops online e hangouts

 

 

 

QUAL É O CENÁRIO EM QUE O PROJETO SE INSERE?

A criação de novas empresas é um elemento-chave para a geração de trabalho e renda e, portanto, para o crescimento de qualquer nação. Quando se formam, os universitários brasileiros partem em busca de um emprego. Poucos colocam a opção de iniciar um negócio como uma alternativa de carreira. Além disso, no Brasil, a maioria dos programas de incentivo à criação de empresas inovadoras foca em grupos de profissionais já organizados em uma estrutura formal. Entre a universidade e a criação da empresa há um intervalo que não é coberto por esses programas.

Segundo o relatório Empreendedorismo nas Universidades Brasileiras, da Endeavor Brasil, somente 11% dos egressos de cursos de graduação tiveram (ou têm) uma experiência empreendedora real. Mas 63% dos entrevistados relatam ter tido alguma disciplina ligada a Empreendedorismo durante o curso. A conclusão é que uma atividade desconectada e formal em uma disciplina não é suficiente para causar o impacto necessário para causar uma mudança cultural nos formandos.

O objetivo de Academic Working Capital é tirar do papel TCCs com potencial de se transformar em soluções para a vida das pessoas. Além de potencializar a criação de novos negócios e novas tecnologias, o programa oferece uma alternativa profissional a recém-formados.

 

 

LINHA DO TEMPO

2015

  • 12 projetos
  • 28 estudantes
  • 3 universidades: UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), UFSCar (Universidade Federal de São Carlos), USP (Universidade de São Paulo)
  • 3 municípios: Rio de Janeiro-RJ, São Paulo-SP e São Carlos-SP
  • 2 startups constituídas: Mvisia e Tech Talk

 

 

2016

  • 27 projetos
  • 72 estudantes
  • 19 universidades: CEFET-MG, Centro Universitário Católica de Santa Catarina, Faculdade de Tecnologia Termomecânica, FATEC São Caetano do Sul, PUC-PR, UnB, UNESP, UNIOESTE, UNIPAMPA, Universidade Positivo, UFABC, UFFS, UFOP, UFSCar, UFSJ, UFU, USP e UTFPR
  • 18 municípios: Bagé-RS, Brasília-DF, Campo Largo-PR, Cerro Largo-RS, Curitiba-PR, Divinópolis-MG, Foz do Iguaçu-PR, Guaratinguetá-SP, Joinville-SC, Leopoldina-MG, Ouro Preto-MG, Ponta Grossa-PR, São Caetano do Sul-SP, Santo André-SP, São Carlos-SP, São João del-Rei-MG, São Paulo-SP e Uberlândia-MG
  • 5 startups constituídas: E-xpert, Fusion, Nanotropic, Periodiza e Turnit

 

 

2017

  • 38 projetos
  • 111 estudantes
  • 26 universidades: CEFET-MG, CEUNES, ETEC Aristóteles Ferreira, ETEC Aristóteles Ferreira, ETEC Bento Quirino, ETEC Getúlio Vargas, ETEC Jorge Street, ETEC Júlio de Mesquita, ETEC Rosa Perrone Scavone, FATEC Araçatuba, IFMG, PUC-Rio, UCS, UFABC, UFBA, UFPR, UFRJ, UFSC, UFSCar, UFU, UnB, UNESP, Unicamp, UNIFIL, USP e UTFPR
  • 25 municípios: Araçatuba-SP, Bambuí-MG, Brasília-DF, Campo Mourão-PR, Campinas-SP, Caxias do Sul-RS, Curitiba-RS, Divinópolis-MG, Florianópolis-SC, Guaratinguetá-SP, Guarujá-SP, Itatiba-SP, Londrina-PR, Mauá-SP, Niterói-RJ, Ribeirão Pires-SP, Rio de Janeiro-RJ, Salvador-BA, Santo André-SP, Santos-SP, São Bernardo do Campo-SP, São Carlos-SP, São Mateus-ES, São Paulo-SP e Uberlândia-MG