Instituto TIM   English

 

PLATAFORMA DE GESTÃO CULTURAL E MAPEAMENTO COLABORATIVO DA CULTURA

Mapas Culturais é um software livre para gestão cultural e mapeamento colaborativo que permite a gestores, agentes culturais e a todos os cidadãos conhecer, compartilhar e participar da produção cultural de um território.

A plataforma é alimentada de duas formas:

  • Pelo poder público, que insere na plataforma informações sobre os equipamentos culturais, programações, eventos e editais oficiais.
  • Pela população em geral, que se cadastra como agente cultural (individual ou coletivo) e pode divulgar seus próprios dados e programações, se inscrever em editais, se articular em rede com outros agentes.

Mapas Culturais incorpora nos processos públicos as lógicas do software livre, da colaboração, da descentralização, do uso de dados abertos e da transparência.

Mapas Culturais é o software-base do Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais. A plataforma tem sido disponibilizada pelo Ministério da Cultura, gratuitamente, a todos os estados e municípios interessados em implementá-la no modelo SaaS (software como serviço na nuvem) e que fazem parte do Sistema Nacional de Cultura.

Entenda melhor como funciona e quais são as tecnologias utilizadas pela plataforma
Acesse o Manual Mapas Culturais, que explora o uso da plataforma por gestores públicos e agentes culturais
Leia o artigo sobre o projeto Mapas Culturais apresentado no I Congresso Online de Gestão Cultural

 

 

 

QUAL É O CENÁRIO EM QUE O PROJETO SE INSERE?

Em 2010, 2,1 milhões de brasileiros e brasileiras trabalhavam em 400 mil organizações que exerciam atividades culturais – o que corresponde a 7,8% do número total do Cadastro Central de Empresas (Cempre) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Esses são os números oficiais – há, porém, um número muito maior de iniciativas e produtores culturais que não estão inseridos na economia formal.

Segundo o ex-ministro da Cultura Juca Ferreira, a gestão cultural, no Brasil, é um campo de muitos “achismos”, que sofre com a falta de informações. Secretariais municipais e estaduais de Cultura contam com poucas informações atualizadas e em tempo real para a formulação de políticas públicas; na esfera federal, o Ministério da Cultura necessita de dados padronizados; e o cidadão tem pouco acesso à informação pública e sobre a agenda cultural de sua cidade ou estado. Para se ter uma ideia, segundo o Perfil dos Estados e dos Municípios Brasileiros − Cultura 2014, do IBGE, apenas 13,1% dos municípios utilizam sistemas informatizados na gestão cultural.

Estabelecer padrões e mecanismos para mensurar a produção cultural, gerando informações confiáveis e atualizadas, é fundamental  para a formulação de políticas públicas de acesso e fomento à produção sociocultural de qualidade. Além disso, disponibilizar informações culturais com o auxílio da tecnologia e a participação dos próprios produtores culturais serve para que toda a população tenha acesso à produção cultural do território.

Mapas Culturais contribui para que gestores públicos realizem os objetivos da Lei de Acesso à Informação e fortalece o Plano Nacional de Cultura – pois colabora para o cumprimento e acompanhamento de suas metas (as metas 2, 3 e 8, por exemplo) e das metas dos planos estaduais e municipais.

 

 

 

LINHA DO TEMPO

2013

  • 1º Encontro Mapas Culturais em São Paulo-SP, com representantes do setor público, privado e sociedade civil e agentes culturais do Brasil e da América Latina para discutir melhores práticas de mapeamento cultural
  • Início da articulação para a implementação da plataforma SP Cultura, instalação de Mapas Culturais no município de São Paulo-SP
  • Mapeamento de iniciativas e agentes culturais no bairro do Campo Limpo, em São Paulo-SP, realizado por 20 jovens bolsistas da Agência Popular Solano Trindade
    • Foram coletadas informações de 400 agentes e iniciativas culturais
    • O levantamento no Campo Limpo fundamentou a primeira leva de inserção de dados na plataforma SP Cultura

2014

2015

2016

2017

2018

 

 

RESULTADOS, CONQUISTAS E HISTÓRIAS

Com a parceria entre o Ministério da Cultura e o Instituto TIM, o Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais foi migrado para uma instalação da ferramenta Mapas Culturais, resultando na plataforma Mapa da Cultura. Além de disponibilizar toda a base de dados do SNIIC, o Mapa da Cultura agrega dados de outras três plataformas criadas pelo MinC a partir do software: Museus BR, Cultura Viva e Mapa das Bibliotecas.
Saiba mais: Conheça as instalações de Mapas no MinC

Desde a criação da plataforma Mapas Culturais, novas funcionalidades foram desenvolvidas e novos usos foram adotados pelos estados e municípios que a implementaram. É a maior prova de que a Rede Mapas Culturais não só implementou a ferramenta, como se apropriou dela.
Saiba mais: Novos usos para Mapas no Ceará
SP: site Férias nos Museus usa Mapas