Instituto TIM   English

O Centro de Operações Rio (COR) iniciou um trabalho em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) do Rio de Janeiro-RJ para otimizar os processos de monitoramento e combate ao mosquito Aedes aegypti no município. Foram realizadas adaptações no sistema do aplicativo ZUP RIO, instalação de ZUP – Zeladoria Urbana Participativa na capital fluminense, para atender às demandas dos agentes de vigilância em saúde. O objetivo é que as informações que os agentes atualmente preenchem em sete formulários de papel durante as vistorias de focos do mosquito passem a ser centralizadas em um único formulário no aplicativo.

Uma primeira fase de testes já foi realizada no bairro de Botafogo entre os dias 26 e 30 de junho, envolvendo dez agentes. Munidos de celulares com o aplicativo instalado, eles preencheram e transmitiram informações coletadas nas vistorias em tempo real a técnicos do COR, que também acompanhavam a localização e o deslocamento dos agentes em tempo real. Foram vistoriados mais de 1,3 mil imóveis e encontrados sete focos do mosquito, todos no mesmo imóvel. Houve ainda uma grande redução no tempo de trabalho: ao invés dos 15 dias necessários para digitalizar os dados dos sete formulários impressos, as informações concentradas em um único formulário digital puderam ser obtidas em, no máximo, 24 horas.

“Na minha opinião, o resultado do piloto foi muito positivo, indicando que é viável sua aplicação no trabalho da Vigilância Ambiental, com todos os ganhos no tempo de resposta da ação, em sustentabilidade, entre outros”, afirma Cristina Lemos, superintendente de Vigilância em Saúde na SMS. Agora, estão sendo feitos ajustes na ferramenta de acordo com os resultados dessa primeira experiência para, posteriormente, expandir o teste para uma área maior e com operação mais complexa.

A ideia é que o aplicativo seja usado em larga escala na cidade. A iniciativa irá gerar a economia de toneladas de formulários de papel utilizados pelos 2.534 agentes de campo nas cerca de 10 milhões de vistorias anuais feitas pelo município. “No caso da saúde, ZUP RIO não somente trouxe velocidade à operação, mas tornou a operação mais sustentável”, diz Rodrigo Kemel, gerente de Projetos de TI do COR.

Além do combate ao Aedes aegypti, já existe outra proposta de utilização de ZUP RIO envolvendo a parceria entre o COR e a SMS. A Subsecretaria de Vigilância, Fiscalização Sanitária e Controle de Zoonoses (SUBVISA), responsável pela vigilância sanitária, está agendando um piloto para testar o uso do aplicativo em suas ações. “ZUP RIO é uma ferramenta completa de gestão, com entrada de dados, gestão de equipes, operação e análise de BI. Por ser totalmente customizável, pode ser adaptada para vários segmentos de uma cidade inteligente, torna a gestão pública mais dinâmica como um todo e dá uma melhor resposta à população”, acrescenta Rodrigo.

dsc_0136_1dsc_0144_1

 

Notícias relacionadas:
Particity é lançada oficialmente em Cascavel
ZUP RIO em vistorias contra o Aedes aegypti
Conheça as três instalações de ZUP

 

 

Tags: